Seja Benvindo. A sua visita me fará, sempre, feliz

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Uma Águia no Céu



23/10/2006

Autor: Élys Vianna


No bonito azul do céu,
uma águia está voando.
Com os seus olhos penetrantes,
a tudo está observando.

Em seu voo majestoso
tenta, ansiosamente, entender:
por que sofre a natureza,
o que está a acontecer?...

Os rios estão poluídos,
vários animais em extinção...
As matas são derrubadas;
por que tanta destruição?...

A águia continua o seu voo,
buscando uma resposta encontrar:
Será que a culpa é do homem,
que não quer, a natureza, respeitar?...

É provável que assim seja,
mas é preciso mudar.
A humanidade tem que entender,
que a Terra é a nossa morada, o nosso lar.



11 comentários:

  1. Ellys, depois de uma certa ausência, aqui estou eu. Gostei muito de seu poema "Águia". A imagem é a mesma que escolhi quando fiz um poema em homenagem ao meu genro que faleceu em agosto, ele gostava muito de voar em parapente, ou algo parecido, e morreu "voando", como uma águia que cai, abatida. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Assim como a águia sofremos por ver e sentir a degradação causada pelo homem, tão bem retratada em sua poesia e lendo isso: " Com os seus olhos penetrantes,
    a tudo está observando." Eu, quando estou a dirigir vou recitando "Dá-me olhos de águia, Senhor, pra não ferir ninguém e nem a mim. Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Com certeza, esse desrespeito à natureza precisa mudar. E todos somos responsáveis para que isso aconteça, através das nossas mínimas atitudes. Muita paz!

    ResponderExcluir
  4. Vim ler-te e com avidez li as últimas postagens, este teu poema retrata muito bem o que acontece a nossa escola querida a Terra. Elvis depois da passagem repentina de meu amado irmão não voltei mais ao mundo virtual, precisei de tempo para diminuir o som da dor que gritava em minha alma, ontem criei coragem e postei um poema, peço desculpas pela ausência, bjos Luconi

    ResponderExcluir
  5. Um canto à natureza em tempo de lamas destruindo tudo pelo vale do Rio Doce e chegando ao mar.
    O homem ainda não acordou de forma geral de sua agressão ao meio e cada dia fica mais difícil a vida.
    É preciso muita campanha de conscientização para vencer esta guerra.
    Um abração amigo.

    ResponderExcluir
  6. Nós também questionamos o que está ocorrendo. Só vemos a destruição de uma natureza que nos foi presenteada e que é indispensável à nossa sobrevivência. Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde, Élys, convido-o a visitar meu blog. Obrigada!

    ResponderExcluir
  8. ¡Hola Élys!!!

    Preciosa poesía, un canto a la naturaleza y una llamada de atención al hombre que no la respeta. Que vedad tan grande! Es ella nuestra alma nuestro lar, en ella respiramos nos alimentamos y vivimos, sin naturaleza no hay vida. Cuidémosla con mucho mimo.

    Te dejo mi felicitación, mi gratitud y mi estima.
    Un abrazo y se muy muy feliz.

    ResponderExcluir
  9. Pois é... mas o homem teima em não dar importância devida a sua morada, pagaremos ainda mais alto preço.
    Linda poesia, verdadeira e necessária, parabéns!
    Boa noite Élys.

    ResponderExcluir
  10. A ganância e a irresponsabilidade é o que predomina nesses algozes da natureza, amigo Élys!
    bjus, bom domingo.

    ResponderExcluir
  11. O certo, amigo, é que por mais que se lhes diga, há quem faça orelhas moucas...
    Bom resto de fim de semana!

    ResponderExcluir

A sua visita me faz feliz.
Deixe um comentário, aqui ou se preferir,
vá ao livro de visitas (Guest Book), no alto do Blog.
Ficarei muito grato.